Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

Basta que nos aceitemos ...

29.02.16 | Paulo Brites

DSC_7839

Nikon D3200, 50-200mm @ 165mm, f/5.6, 1/320s, ISO 100

Salgados | Algarve | Portugal

 

- Bom, a minha mãe costumava dizer que nascemos todos do mesmo Deus…!
- Sim? E o que é Deus para ti, afinal?
- Julgo que uma ideia criada pelo homem para explicar a incapacidade de lidar com a própria vida.
- E que não tem nada a ver contigo.
- Sabes que sou agnóstico.
- Sei… para ti tudo tem de ter uma explicação lógica e palpável. Se não vês, não acreditas. Se não tocas, não sentes…
Ele denegou com a cabeça.
- Nós nunca nos vamos compreender, pois não, Manuela?
- Não. Mas também não é preciso, basta que nos aceitemos."

Graça Aguiar in: Vento do Sul

E no caminho... uma paragem para a fotografia!

28.02.16 | Paulo Brites

DSC_4528

Nikon D3200, 18-55mm @ 18mm, f/13, 1/25s, ISO 100

Lago de Alqueva | Amieira-Portel | Portugal

 

"O caminho que eu escolhi é o do amor. Não importam as dores, as angústias, nem as decepções que eu vou ter que  encarar. Escolhi ser verdadeiro. No meu caminho, o abraço é apertado, o aperto de mão é sincero, por isso não  estranhe a minha maneira de sorrir, de te desejar o bem. É só assim que eu enxergo a vida, e é só assim que eu  acredito que valha a pena viver."

in Paulo Roberto Gaefke

Até o Fim ...

25.02.16 | Paulo Brites

DSC_3733

Nikon D3200, 18-55mm @ 40mm, f/5.3, 1/320s, ISO 100

Alburquerque | Badajoz | Espanha

 

" ... Se a gente não sabe se ama
  E não se decide que quer
  A dúvida não desinflama
  Enquanto a gente não se der ... " 

Até o Fim - Maria Bethânia

Minhas lágrimas teimam em não aparecer ...

22.02.16 | Paulo Brites

DSC_3566

Nikon D3200, 18-55mm @ 24mm, f/4, 1/800s, ISO 100

Alto de S.Bento | Évora | Portugal

 

"Não, realmente não gosto quando as minhas lágrimas teimam em não aparecer.

 Sem elas sinto que fico mais distante de mim.

 Fico ausente. Mais voltada para fora.

 Sem elas…

 Sinto que o meu coração adensa, pesa.

 Que o meu corpo desidrata.

 Que a minha Alma encolhe, ou adoece!"

Graça Aguiar

Meus senhores eu sou a água

15.02.16 | Paulo Brites

DSC_4259

Nikon D3200, 18-55mm @ 18mm, f/5.6, 1/500s, ISO 100

Moinho da Figueira - Rio Ardila - Santo Amador | Alentejo | Portugal

 

"Meus senhores eu sou a água
 que lava a cara, que lava os olhos
 que lava a rata e os entrefolhos
 que lava a nabiça e os agriões
 que lava a piça e os colhões
 que lava as damas e o que está vago
 pois lava as mamas e por onde cago."

Bocage

Hoje não tenho mais tanta certeza disso

15.02.16 | Paulo Brites

DSC_8296

Nikon D3200, 50-200mm @ 200mm, f/5.6, 1/1250s, ISO 100

Praia de Santa Eulália | Algarve | Portugal

 

Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados...

Almany Falcão

 

 

Se não dá para falar agora ...

08.02.16 | Paulo Brites

DSC_4411-1-1-R

Nikon D3200, 18-55mm @ 26mm, f/8, 1/250s, ISO 100

Santo Amador | Alentejo | Portugal

 

Se te falho ao falar, não dá pra conversar
Sobre nós dois, se é assim falamos depois
Se te falo não dá nada, logo de madrugada
Sono profundo, falo em ti de costas pró mundo

Se não dá pra falar agora, marca um sítio, marca uma hora
Tu não perdes pela demora, de quereres falar e eu ir embora
Se não dá pra falar os dois, eu digo não
Não desta vez não falamos depois

Átoa

Canção de Outono

06.02.16 | Paulo Brites

DSC_3173

Nikon D3200, 18-55mm @ 18mm, f/3.5, 1/1250s, ISO 100

Montoito | Alentejo | Portugal

 

Tu és folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
- a melhor parte de mim.
E vou por este caminho,
certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão...

Cecília Meireles

O homem das castanhas

02.02.16 | Paulo Brites

DSC_4151Nikon D3200, 18-55mm @ 32mm, f/5.6, 1/50s, ISO 100

 

A mágoa que transporta a miséria ambulante,
passeia na cidade o dia inteiro.
É como se empurrasse o Outono diante;
é como se empurrasse o nevoeiro.
Quem sabe a desventura do seu fado?
Quem olha para o homem das castanhas?
Nunca ninguém pensou que ali ao lado
ardem no fogareiro dores tamanhas.

Carlos do Carmo