Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

Uma música ... Mariza e Sérgio Dalma.

14.03.18 | Paulo Brites

DSC_1765-1.tif

Nikon D3200, 50-200mm @ 50mm, f/7.1, 1/1250s, ISO 100

 

 

 

Sim ... Mariza no seu melhor em dueto com Sérgio Dalma! 

Depois de ouvir esta canção lembrei-me do Mário de Sá-Carneiro e as coisas secretas da alma!

"Em todas as almas há coisas secretas cujo segredo é guardado até à morte delas. E são guardadas, mesmo nos momentos mais sinceros, quando nos abismos nos expomos, todos doloridos, num lance de angústia, em face dos amigos mais queridos - porque as palavras que as poderiam traduzir seriam ridículas, mesquinhas, incompreensíveis ao mais perspicaz. Estas coisas são materialmente impossíveis de serem ditas. A própria Natureza as encerrou - não permitindo que a garganta humana pudesse arranjar sons para as exprimir - apenas sons para as caricaturar. E como essas ideias-entranha são as coisas que mais estimamos, falta-nos sempre a coragem de as caricaturar. Daqui os «isolados» que todos nós, os homens, somos. Duas almas que se compreendam inteiramente, que se conheçam, que saibam mutuamente tudo quanto nelas vive - não existem. Nem poderiam existir. No dia em que se compreendessem totalmente - ó ideal dos amorosos! - eu tenho a certeza que se fundiriam numa só. E os corpos morreriam."

Mário de Sá-Carneiro in "Cartas a Fernando Pessoa"

Só por hoje

13.03.18 | Paulo Brites

DSC_2518-1

Nikon D3200, 18-55mm @ 18mm, f/5.6, 1/16s, ISO 100

 

"Só por hoje...

Imagina...

Fecha os olhos, respira fundo, imagina o teu peito a encher-se de luz e permite (só permite) que tudo o que pesa aí dentro saia e se vá livremente...

Imagina, somente...

Imagina-te sentado(a) numa simples jangada, a flutuar em pleno alto mar, tranquilo(a), rumo ao pôr-do-sol, enquanto a vida acontece......

Só por hoje...

Imagina...

Imagina que és senhor(a) de ti mesmo... e que, tudo o que tens de fazer é permitir que a vida flutue junto contigo, te acompanhe sem força ou resistência alguma, sem controlo, sem medo, indo somente, unos, em direção ao que é realmente para ti...

Agora diz-me (ou não digas, pergunta apenas a ti mesmo):

- Imaginei?

- E o que é que senti...?" 

Graça Aguiar

Crimes urbanísticos, evolução, falta de seriedade ou interesses puramente financeiros?

13.03.18 | Paulo Brites

image.jpgdsc-1372-largejpg.jpg

Uma viagem é sempre um momento de educação sentimental, cultural, visual … Viajamos supostamente para descobrir coisas novas ou mesmo para redescobrir e relembrar locais e “coisas” que já há muito não víamos. De entre as mais-valias que viajar nos trás e nos oferece, sem dúvida, é conhecermo-nos melhor a nós próprios!

Pouco ou nada percebo de urbanismo e dos seus critérios, no entanto, como bom português que sou, tenho a minha opinião sobre tais assuntos! Quer ela seja juridicamente válida ou não, cientificamente fundamenta ou não, esteja de acordo com os pensadores deste pais ou não … seja o que for … 

De regresso da época festiva de final de ano, passei por Portalegre (atenção que nem parei, foi mesmo passagem) deparei-me com um edifício novo, um edifício que em termos arquitetónicos até que é simpático mas o seu enquadramento é quanto a mim, um autêntico “crime urbanístico”! Como já disse, não pela sua falta de qualidade urbanística (porque essa é discutível) mas sim pelo local onde está implantado!

Conheço relativamente bem Portalegre embora já algum tempo que por esses lados não vou. Depois de fazer um breve exercício de memória, a ultima vez que por essa bela cidade circulei foi em 2012 aquando da minha entronização na Confraria Gastronómica do Alentejo, que nesse ano se realizou em Portalegre … pois bem, Portalegre nesse ano de 2012 ainda não tinha tal edifício …

É um edifício que deu origem ou melhor, construído para um hotel! Um hotel temático que embora não conheça, pelo que pesquisei, até que é um espaço interessante e que veio homenagear um grande vulto da cultura portuguesa e portalegrense, José Régio. É um hotel todo ele virado para a memória desse grande escritor. Se é uma boa iniciativa? Claramente que sim!

No entanto para quem deu as devidas autorizações para a construção do edifício e sua “plantação” nessa zona da cidade, que me desculpe, mas é um edifício que nada trouxe de importante ao centro da cidade, bem pelo contrário, é um autêntico crime urbanístico no seu contexto e espaço, nada contra a sua “beleza” arquitetónica … Sim, em minha opinião foi mais um atentado ao nosso Património Urbanístico! Não que o edifício anterior fosse de elevado qualidade ou de riqueza arquitetónica, bem pelo contrário, mas tinha algo de muito importante, marcava uma época, marcava um tempo, marcava um estilo … tinha a sua importância e acima de tudo, o seu enquadramento! Tal como os músicos, escritores, poetas que marcam uma geração e vivencia, também os edifícios marcam essa mesma geração e esse tempo!

Tentei fazer uma pesquisa superficial sobre a lei do urbanismo, os seus critérios e quais as leis de salvaguarda do património nacional, bem como se existe ou não alguma “coisa” que proteja a identidade das nossas cidades, vila ou aldeias em termos visuais e das características delas próprias como riqueza urbanística, cultural ou mesmo visual … claro, para não falar da identidade como Nação … nada! Pouco ou nada consegui ou melhor, cheguei à conclusão que o melhor será ir tirar um curso qualquer, isto só, para perceber o que é da responsabilidade das autarquias e as suas interpretações ou o que é da responsabilidade do Estado central. Nessa pesquisa que fiz, só para perceber qual o organismo que tutela esta “coisa” do património urbanístico … ui, o melhor é tomar um paracetamol qualquer, porque isso vai mesmo dar dor de cabeça!

IPPAR, IPCC, DGEMN, IGESPAR, IHRU, IMC … nem digo nada! Cada um com as suas valências, cada um com as suas funções … cada um com as suas características! Mas foda-se qual o efeito prático dessas merdas todas? Um que se funde com o outro … o outro que se junta a outro …

Bem, para um Português que em termos de formação académica, profissional ou coisa do tipo, não se movimenta no meio como é o meu caso, dirá que … essa merda parece mais um “bacanal” de interesses lobistas que outra coisa qualquer! Será assim tão complicado existir um só organismo público que tutele essas “coisas” todas? Parece que sim! (um dia terei que perguntar a algum conhecido ou amigo que me explique tais “orgias”, porque quero saber o que cada um desses institutos, direções, organismos e ou autoridades faz na realidade … mas isso fica para depois!)

Como alguém um dia disse, “Não existe música nova ou antiga, existe boa música”, também não existem poetas e escritores novos ou velhos, existem bons escritores e poetas … e por ai fora! O importante no meio disso tudo é o seu enquadramento, é o marcar uma determinada época … é o eternizar uma vida, quer ela seja no sec. X, XV, XX …

Tudo tem a sua “temporalidade” e claro a sua “qualidade”, o problema é quando se mistura tudo! É quando não existem critérios para a sua utilização …

Estamos muito preocupados em salvaguardar e falar de ruinas romanas de edifícios do renascimento … enfim de tudo um pouco e, quanto a mim, muito bem! No entanto por este país fora vamos esquecendo e destruindo o nosso legado mais recente, vamos demolindo alguns edifícios, algumas pontes (com ou sem valor, mas completamente enquadrados no espaço e no tempo) e o mais grave, construindo aberrações no seu lugar, não que esses edifícios não tenham a sua beleza, mas porque no espaço não têm qualquer enquadramento!

Vamos por aqui e por ali apagando um pouco de nós próprios … afinal que legados deixamos às gerações vindouras? Se os nossos antepassados tivessem destruído por exemplo as Villas Romanas ou outros edifícios obsoletos … o que teríamos hoje? Sim! Estamos mesmo a destruir um pouco de nós próprios! Estamos a apagar uma época!

Este caso de Portalegre não é o único! Existem muitos … infelizmente! Não irei falar deles, são tantos que só deveria terminar lá para 2054 … mas entretanto, muitos mais irão surgir! Conclusão, nunca mais terminaria …

Existe neste momento uma acesa discussão sobre a construção de um edifício no largo do Rato em Lisboa que já foi apelidado por “Mono do Rato” … um projeto aprovado há 8 anos pela Câmara Municipal de Lisboa …

Quem era na altura o seu Presidente? António Costa! E mais não digo …

Edifícios como este do Hotel José Régio ou do “Mono do Rato” são bem-vindos … mas por favor, em locais que não descaracterizem o urbanismo de uma povoação e sim, num novo espaço que marque e deixe para futuro as tendências urbanísticas atuais! Sim, para que claramente se perceba a nossa evolução e, evoluir não é com certeza “plantar” estes edifícios no centro de uma qualquer povoação!

Evoluir é no mínimo preservar o que nos foi “deixado”! Evoluir é no mínimo respeitar o que existe! É ter critérios para que não se perca nem se apague uma época!

Portanto as reconstruções deveriam ter algum cuidado, critério e acima de tudo, significado!

Que não sejamos um País do 3º Mundo e de uma vez por todas se respeito o nosso património, quer físico, quer cultural!

Por favor Prof. Marcelo, meta mãos a esta merda toda que se passa neste Portugal!

 

Beijinhos …

* Foto "Mono do Rato" - DN

* Foto Portalegre - net 

Carta de despedida a um amor ou boas vindas a um novo …

11.03.18 | Paulo Brites

FB_IMG_1508956234038.jpg

 

Sim, existem coisas assim! Tudo tem um princípio e fim! Tudo tem uma razão de ser e acontecer num terminado período de tempo.

No dia 10 de Janeiro de 2016 dei início a um novo desafio. Dei início a um blog que tinha como fundamento e razão de existir, o divulgar as imagens que por intermédio da minha objetiva ia captando. E foi assim que ao longo do tempo ele lá foi tendo vida. Momentos mais ativo, momentos de algum apagão, mas lá foi crescendo e vivendo.

No entanto coisas novas acontecem. Necessidades novas surgem e somos deparados com a limitação do que temos. O que fazer? Nada! Teremos que seguir em frente e teremos que encontrar alguém ou alguma coisa que nos complete, que nos faça sentir em sintonia com as nossas necessidades e vontades. Foi o caso que aconteceu a 5 de Dezembro do ano passado! Para seguir em frente não seria possível com o que tinha. Necessitava de mais … e é ai que nasce um segundo blog! É ai que nasce o Diz à Mãe para migar as sopas …

Tal como no amor, depois de terminar, prometemos que vai ficar tudo bem, que vamos ficar amigos certo? Claro! Afinal foram tantas coisas boas, conhecemo-nos bem um ao outro, sabemos a mania, o prato preferido, a música … os gostos, as virtudes, os defeitos … a voz e o estado de espirito … não deu certo mas permanece a amizade. Tal qual como o http://paulobritesfotografia.blogs.sapo.pt/ irá ficar na minha recordação e irei sempre ter para com ele a minha grande amizade!

Mas, como é que se vai abraçar e dar um beijo no rosto sendo que aquela boca já se tornou de casa e aquele corpo é tão familiar? Como encarar nos olhos sem agarrar o outro? Seguimos os protocolos, engolimos as palavras, controlamos o impulso. Quem disse que não existe amizade entre ex-namorados? Irei conseguir manter a minha relação emocional com o paulobritesfotografia.blogs.sapo.pt, tal qual a relação com um ex-amor que … ao longo do tempo e, aos poucos vamos percebendo que aquele olhar, aquele sorriso que tão bem sabíamos provocar chegou ao fim. Manter uma amizade com um ex-amor é tão seguro quanto esperar a primeira injeção, uma hora vai doer e muito! Mas a vida continua … e o que vem pela frente é sempre mais desafiante! Recordações? Sim e muitas … mas poderemos e deveremos sempre saber viver com elas. Para que isso aconteça teremos que ter a capacidade e coragem de as saber colocar no sítio certo!

O blog as imagens da minha objetiva chegou ao fim! Será absorvido por um novo amor, absorvido por algo que faz mais sentido no momento! Será incorporado no Diz à Mãe para migar as sopas … Quanto às muitas e muitas pessoas que me acompanham sei que me irão acompanhar da mesma forma!

Um muito obrigado a todos e vamos continuar aqui no Diz à Mãe para migar as sopas!

Quanto ao amor que tinha com ele? Vai continuar como amizade, mas uma amizade distante, afinal nós conhecíamo-nos tão bem! Afinal foram tantas coisas boas, afinal conhecíamos a mania um do outro … não deu certo mas permanece a amizade. Como tal … não o irei apagar mas também não lhe poderei dar mais vida! Manter uma amizade com um ex-amor é tão seguro quanto esperar por uma injeção, uma hora vai doer e muito!

 

Beijinhos …

 

* Foto net

Trump, Kim Jong-un e as loucuras dos loucos deste mundo!

10.03.18 | Paulo Brites

mw-860.jpg

Por norma não gosto muito de falar sobre temas e assuntos de dimensão mundial. Não porque não tenha a minha opinião mas porque considero muito mais importante deixar essa matéria para os especialistas e para quem detém muito mais conhecimento e informação sobre tais “coisas”. No entanto não gostaria de deixar passar em branco um acontecimento que em breve irá ter lugar. Falo da reunião histórica entre dois líderes … ou dois loucos … ou dois extremistas … ou dois casos de estudo psiquiátrico … ou dois … fulanos que deixo há vossa consideração qualquer tipo de adjetivo qualificativo.

Muito mal estamos nós quando a paz e segurança no planeta Terra está dependente de dois “estilosos penteados”! É o que temos, é o que existe.

Só por uma questão de “recordação” deixo aqui alguns casos de loucura que por este mundo tiveram lugar … certo que faltam muitos e muitos mais, no entanto esta lista iria ter um número incalculável de páginas se os fosse citar todos ou quase todos.

Será que estamos a deixar existir mais uns?

 

ADOLF HITLER (1889-1945)

Com uma ascensão meteórica no partido nazi alemão, chegou a chanceler em 1933. Lançou o mundo no caos da 2ª Guerra Mundial. Em nome da superioridade racial, matou milhões de pessoas. 

REINHARD HEYDRICH (1904-1942)

Imagine alguém que o próprio Hitler definiu como “um homem com coração de ferro”. Heydrich era o segundo na linha de comando da SS, organização paramilitar nazi que coordenou o Holocausto. Criou a polícia secreta para eliminar dissidentes nos territórios alemães e ordenou o massacre da cidade checa de Lídice, um dos piores da história. Conhecido por Gestapo.

JOSEF MENGELE (1911-1979)

O juramento de Hipócrates proíbe médicos de fazer o mal. O “Anjo da Morte” claramente ignorou a promessa. As suas pesquisas no campo de extermínio de Auschwitz envolviam atrocidades como mutilações, cirurgias sem anestesia e experiências genéticas. São-lhe atribuídas cerca de 400 mil mortes.

SLOBODAN MILOSEVIC (1941-2006)

O presidente da Sérvia de 1989 a 1997 promoveu a limpeza étnica de bósnios e muçulmanos na região de Kosovo. Para isso, iniciou quatro guerras nos anos 90, que vitimaram 250 mil pessoas e criaram 2 milhões de refugiados. Foi acusado de genocídio, perseguição política, racial e religiosa pelo Tribunal Criminal Internacional

SADDAM HUSSEIN  (1937-2006)

Ditador militar iraquiano entre 1979 e 2003, perseguiu e eliminou os seus oponentes políticos (40 deles eram seus familiares). Promoveu uma “limpeza” na região curda, no norte do país. Em 1990, deflagrou a Guerra do Golfo ao invadir o vizinho Kuwait.

AIATOLÁ KHOMEINI  (1902-1989)

Beijar em público: cem chicotadas. Ouvir música: prisão. Roubar: mão decepada. Essas foram algumas das severas punições instituídas por esse líder religioso xiita, que governou o Irã de 1979 a 1989. Além disso, entrou numa guerra contra o Iraque que matou 2 milhões de pessoas

MAO TSÉ-TUNG (1893-1976)

De 1943 a 1976, Mao seguiu a cartilha dos ditadores comunistas: eliminou quem criticava a sua liderança e forçou o povo a trabalhar em regime de escravidão (tudo em nome do “progresso”). Segundo a Organização de Direitos Humanos da ONU, causou a morte de 45 milhões de pessoas – incluindo cerca de 700 mil que se suicidaram.

IMPERADOR HIROHITO (1901-1989)

Imperador do Japão durante a 2ª Guerra Mundial e a 2ª Guerra Sino-Japonesa. Hirohito dizimou populações chinesas, um dos maiores exemplos foi o ataque das suas tropas à região de Nanquim, em 1937: uma “maratona” de pilhagens, incêndios e execução de civis. A contagem de corpos chegou a 300 mil.

JOSEF STALIN (1878-1953)

Vamos imaginar que depois de um comentário a criticar o governo, ser preso, torturado e enviado para campos de trabalho – ditador da União Soviética de 1922 a 1953. A sua loucura custou a vida a cerca de 60 milhões de pessoas.

TALAT PASHA (1874-1921)

Ficou só pouco mais de um ano (entre 1917 e 1918) no comando do Império Otomano, mas criou o terror. Roubos, torturas e estupros. Iniciou um massacre que eliminou mais de 1 milhão de armênios (sendo que a população armênia na época era de 2,5 milhões). Foi assassinado por um sobrevivente dessa atrocidade.

NAPOLEÃO BONAPARTE (1769-1821)

Líder político e militar que ascendeu ao poder no final da Revolução Francesa, tornou-se imperador e governou entre 1804 e 1814. Ignorou tratados internacionais e matou milhões durante as suas conquistas. Foi vencido pela sua ambição, ao esgotar as forças dos seus militares.

FRANCISCO PIZARRO (1471 e 1476-1541)

Depois de duas expedições marítimas sem sucesso, o conquistador espanhol alcançou o seu macabro objetivo: com o apoio do rei Carlos de Espanha, dizimou toda a população inca das Américas.

GÊNGIS KHAN (1162-1227)

Vamos imaginar alguém que, sozinho, consegue eliminar 30%da população mundial. Foi a façanha macabra de Khan. Após unificar as tribos nômades das estepes e se tornar o fundador de um dos mais poderosos impérios da antiguidade, Khan conquistou grande parte da China até o mar Cáspio, deixando um rastro de inacreditáveis 60 milhões de mortes estimados.

BASÍLIO II (958-1025)

Líder do Império Bizantino entre 976 e 1025, era o “matador de búlgaros” após uma guerra que durou 30 anos. Nas suas batalhas, matou milhares e cegou outros tantos (incluindo crianças e mulheres) com adagas em brasa.

ÁTILA (desconhecido –453)

Também conhecido por “O flagelo de Deus” e “Praga de Deus” foi rei dos hunos e governou grande parte da Europa de 434 a 453. Aniquilou nações inteiras. Inimigo jurado dos romanos, chegou a conquistar parte do norte da Itália.

HERODES, O GRANDE (74 e 73 a.C.-4 a.C.)

Conhecido como um louco que matou sua própria família e mandou assassinar centenas de rabinos, o rei romano da Judeia também era tirano e corrupto. Organizou uma espécie de polícia secreta que investigava qualquer início de rebelião entre os judeus controlados. Qualquer suspeito era torturado e executado publicamente.

QIN SHI HUANG (260 a.C.-210 a.C.)

O primeiro imperador chinês foi também um dos mais brutais: segundo registros, ele ordenou a morte de mais de 1 milhão de pessoas. Entre elas, pesquisadores que não conseguiram torná-lo imortal (uma de suas maiores obsessões).

 

Beijinhos e … que a utopia da paz no mundo um dia se torne realidade!

 

* Foto jornal Expresso

Hoje fui à música ...

09.03.18 | Paulo Brites

Ontem do nada e devido a uma pequena troca de opinião sobre o dia internacional da mulher, eis que me lembrei de uma música do JP Simões … será? Terá ele razão? De alguma forma talvez! Se são todos? Claro que não!

 

A minha geração já se calou, já se perdeu, já amuou,

já se cansou, desapareceu, ou então casou, ou então mudou,

ou então morreu; já se acabou.

 

A minha geração de hedonistas e de ateus, de anti-clubistas,

de anarquistas, deprimidos e de artistas, e de autistas

estatelou-se docemente contra o céu.

 

A minha geração ironizou o coração, alimentou a confusão,

brincou às mil revoluções amando gestos e protestos e canções,

pelo seu estilo controverso.

 

A minha geração só se comove com excessos, com hecatombes,

com acessos de bruta cólera, de mortes, de misérias, de mentiras,

de reflexos da sua funda castração.

 

A minha geração é a herdeira do silêncio,

dos grandes paizinhos do céu,

da indecência, do abuso,

e um belo dia esqueceu tudo e fez-se à vida

na cegueira do comércio.

 

A minha geração é toda a minha solidão, é flor de ausência, sonho vão,

aparição, presságio, fogo de artifício, toda vício, toda boca

e pouca coisa na mão.

 

Vai minha geração, ergue a cabeça e solta os teus filhos no esplendor

do lixo e do descuido, deixa-te ir enquanto o sabor acre da desistência vai

corroendo a doçura da sua infância.

Vai minha geração, reage, diz que não é nada assim,

que é um lamentável engano, erro tipográfico, estatística imprecisa, puro

preconceito, que o teu único defeito é ter demasiadas

qualidades e tropeçar nelas.

Vai minha geração, explica bem alto a toda a gente que és por demais

inteligente para sujar as mãos neste velho processo, triste traste de Deus,

de fingir que o nosso destino é ser um bocadinho melhores do que antes.

Vai minha geração, nasceste cansada, mimada, doente por tudo e por nada,

com medo de ser inventada, o que é que te falta agora que não te falta nada?

Poderá uma pobre canção contribuir para a tua regeneração

ou só te resta morrer desintegrada?

 

Mas, minha geração, valeu a trapaça, até teve graça,

tanta conversa, tanta utopia tonta, tanto copo,

e a comida estava óptima! O que vamos fazer?

 

JP Simões - 1970

 

Bem … beijinhos e bom fim de semana!