Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

Viva! Sou rico, tenho o depósito cheio! Bora lá …

24.11.18 | Paulo Brites

46809370_2067154750046158_2588070112007290880_n.jp

 

 

Bora ... mau, que aconteceu?

...

- Senhor policia o que se passa?

- Um acidente senhor condutor! Tem que ter paciência mas temos a estrada cortada!

 

Bem, os homens são deveras organizados e cumpridores do seu serviço, que um agente da autoridade, com traje civil e sem qualquer identificação, me comunicou que poderia ir em sentido contrário na auto-estrada – tinha era que ir com cuidado e os 4 piscas ligados …

 

Lá fui … entrei numa estrada municipal, todo feliz da vida, porque finalmente lá ia eu usufruir da sensação de riqueza financeira, de depósito cheio, lá comecei a minha viagem.

 

Mas ser rico não é só ter o depósito da viatura transportadora cheio de líquido Árabe tão precioso – tanto o é, que os nossos governantes enriquecem à custa dele – ser rico e fino é mais do que isso! Sim é ter uma daquelas coisas que fala connosco. Um tal de sua graça: GPS.

 

Assim foi … vá de ligar tão importante instrumento, que se não fosse a sua existência, teríamos que fazer o mesmo que Bartolomeu Dias. Lá teríamos que viajar, orientados pelas estrelas. O problema é que estava a chover, estava nublado e com toda a certeza, essa velha forma de navegação, não iria ter muito sucesso.

 

Mas como dizem os apoiantes e simpatizantes bloquistas: estasse bem! Afinal a companhia de viagem era uma estrela de um brilho deslumbrante!

 

Vire na 1ª à direita a 300 metros … vire na próxima à esquerda a 424 metros … e lá se ia viajando, cego, com a beleza da estrela que me acompanhava, nem os sentidos de orientação funcionavam … só flutuavam!

 

Vamos por aqui? Por acolá? Entramos já na auto-estrada? Hummm … os euros cada vez valem mais centimos e lá me lembrei que afinal não era assim tão rico. O melhor seria poupar uns cruzados e evitar a auto-estrada …

 

O dito aparelho lá continuava a debitar informação: na próxima rotunda saia na 2ª à direita … atenção senhor condutor, está a exceder o limite de velocidade, reduza para 50 km hora … mantenha-se na faixa da sua direita …

 

Do nada, lembrei-me de umas iguarias sul-ribatejanas, que modesta a parte, considero as melhores que já comi – queijadinhas do Porto Alto. Claro que para quem não conhece, são feitas de queijo ou requeijão, não são daquelas que as pessoas resolveram rebatizar e chamar queijadas de laranja ou cenoura. Como se tal fosse plausível da utilização do termo queijada! As horas estavam a avançar rápido demais e a dita casa mãe dessas queijadas, já tinha encerrado.

 

Sem problema, com a companhia agradável da estrela e do GPS lá se seguia viajem. Vire à direita … depois à esquerda … siga em frente … e quando se olha para o relógio, já eram horas de estar no destino!

 

Fazendo mais uma referência bloquista à coisa: sem crise, vamos nessa! E como aventureiros, guiados pela tecnologia, a viagem continuou. Mais uns vira para ai, vira para aqui, lá se ia seguindo.

 

- Olha há tanto tempo que não passava por aqui! Bebia café sempre aí ... 

- Agora já não dá, não podemos voltar atrás na auto-estrada.

 

A navegação via Google lá continuava … e claro, deveremos sempre confiar no Google, afinal o gajo sabe tudo! O problema é quando o Google e a Brisa têm parceria e não nos indica o melhor caminho, mas sim o caminho por eles contratados e combinados.

 

Seria normal viajar no sentido norte e ter as localidades a sul cada vez mais longe. Não! As localidades a sul estavam cada vez mais próximas … a chuva continuava a cair como se não houvesse nuvens amanhã.

 

- Estamos no sentido errado!

- Achas? Alguma vez! Não … vamos bem …

 

E na verdade para o GPS estávamos bem! Sim, o GPS teve uma crise de nostalgia. Talvez nos dias anteriores, tivesse lido o famoso livro de Almeida Garrett – As viagens na minha terra, e lembrando a Joaninha e o Carlos, por força que teria que ir conhecer a janela onde o romance deles começou.

 

Lá passei 2 vezes por terras onde o Frei D. Dinis ia 2 vezes por semana dar as novidades, mas sem parar na casa da senhora D. Francisca. Afinal o depósito do automóvel já tinha descido um pouco.

 

Como se o GPS tivesse ouvidos, lá navegou outra vez até à taberna onde muitas vezes bebia café. Claro que na 2ª passagem lá se parou. Repor a cafeina necessária para a continuação da viagem, era algo, necessário e aconselhável.

 

Passado essas voltinhas por terras de Joaninha e Carlos, lá se retomou a direção correta. Ciente que o 13 nem sempre é o número do azar, confiei novamente no tão belo e apaixonante instrumento de navegação … e … mais uma vez, o caminho escolhido por tão nobre instrumento, teve influências literárias. Desta vez foi: “Os contos do Pastor”, um belo livro de Ana Nunes que conta contos de pastores por serras de Pampilhosa.

 

Lá tive que alterar a forma de navegação e, resolvi confiar em algo menos apaixonado por obras literárias … o depósito estava vazio, e, eu, novamente pobre.

 

E pronto … nada que uma viagem de 4 horas não tivesse a sua beleza, nas 8 horas em que ocorreu!

 

Relembrando e citando o Mário Gil e o Roberto Leal:

Pelos caminhos de Portugal,

Eu vi tanta coisa linda

Vi um mundo sem igual.

 

Se podemos confiar no GPS? Claro que sim! Não seria a mesma coisa … e não teria qualquer piada uma viagem pelo interior do nosso tão bonito país! Voltei a ser pobre, o bendito líquido Árabe tinha terminado … mas estava feliz! Tinha conseguido chegar ao destino são e salvo!

 

Já agora e só por curiosidade - não era o fim do mundo, mas já foi! Já foi um verdadeiro inferno!

 

Um abraço às suas gentes!