Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

Eu quero lá saber das camisas engomadas!

22.09.19 | Paulo Brites

 

Vi uma noticia em que, existia no momento uma discussão sobre: Usar ou não usar a roupa amassada e, poupar as emissões poluentes dos ferros de engomar - https://www.curiosidadesdaterra.com/2019/09/usar-roupas-sem-passar-nova-tendencia.html?fbclid=IwAR2j95IH409ByuOwDvUl9TnwJU9lzOkHhe3zME8RuGNpu2l0s23gtcZa8kA&m=1

Fiz uma pequena pesquisa sobre essa notícia, na esperança que fosse uma notícia falsa e humorística! Mas não! É mesmo verdade!

Há quem defenda “isso” da roupa amassada e, quem defenda que não! Eu tenho a minha opinião e ideal sobre a questão! De qualquer forma não me parece importante! No entanto, sou pela roupa amassada! Não pelas questões apresentadas ou defendidas pelos simpatizantes do não passar! Sou da opinião que não é a apresentação que mostra e classifica a pessoa. Certo, que esta minha opinião, vale o que vale. No entanto, deixo uma pergunta: Que importa isso? Que importa a vaca cagar e bufar? Porque temos radicalismos desmedidos e totalmente descabidos? Mas que valores existem? Porque se luta neste momento? Crianças espalhadas por o mundo, completamente reféns de ditadores! Povos simplesmente castrados dos mais elementares direitos de sobrevivência e liberdade! Um desmedido histerismo pela qualidade de vida do cão e do gato em prol das causas humanitárias – Quando me refiro a este tema, refiro-me ao que muita gente faz: tentar equiparar os animais domésticos a seres humanos - Esquecem que os retiramos dos seus habitats! Mas são contra os circos, por exemplo!

Porque nos preocupamos com coisas supérfluas? Porque permitimos que seres humanos morram afogados nos mares deste mundo, quando somente essas pessoas, procuram uma vida digna e melhor? Que dignidade temos nós ao ignorar isso e, falar sobre a camisa amassada ou vincada por um ferro quente a vapor? Onde estão as grandes, verdadeiras e essenciais causas? Mas que mundo hipócrita estamos a criar?

Sabemos que a poluição e o extermínio da vida na terra está numa fase super acelerada. Mas não! Falamos de gays, de camisas engomadas, elegemos trafulhas, corruptos e maus profissionais! Elegemos políticos que nos lixam e mentem a toda a hora! Mesmo assim dizemos: viva!

Temos Venezuela, Palestina, Síria, Líbia, Moçambique ... temos, Hong Kong, Correia, USA! Temos Rússia, Israel, Kosovo ... temos Nações Unidas! Temos Trump, Kim, Merkel, António Costa, Bolsonaro ... temos Congo, China, Angola! Temos escravatura em Portugal e em particular no Alentejo! Temos uma igreja hipócrita que diz: violar uma criança é menos grave que praticar um aborto! Temos Ronaldo`s e Felix`s como tema de conversa! Mas que se passa neste mundo? Onde estão as verdadeiras causas a defender?

Eu quero lá saber das camisas engomadas quando vejo notícias de crianças palestinas presas e assassinadas! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando vejo homens, mulheres e crianças a morrerem no mar mediterrâneo! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando os meus governantes em 4 anos estão quase todos envolvidos em casos de corrupção! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando os corruptos têm promoções e recebem pensões vitalícias. Eu quero lá saber das camisas engomadas quando vejo as taras e manias, não do Marco Paulo, mas de um tal Silva e do PAN! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando sinto que, os distribuidores alimentares nos lixam e nos roubam diariamente. Eu quero lá saber das camisas engomadas quando tenho uma carga fiscal, direta e indireta, que me sufoca! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando esperamos meses e meses por um cuidado médico! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando temos um ensino comandado por ignorantes e que não ensina as nossas crianças! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando destroem património com milênios para cultivar um pedaço de terra por 25 anos! Eu quero lá saber das camisas engomadas quando já não nos é possível beber água num riacho, pescar, caçar ... porque nós, estamos a foder isso tudo!

Mas que raio de mundo é este, que perde tempo com camisas engomadas, ou histerismos de gajos que querem ser gajas, e gajas que não querem ser nada! Que mundo é este que fala de camisas engomadas e depois chama: pretos, brancos, asiáticos, amarelos e sei lá mais o quê! Que temos pessoas e animais a passar fome e, deitam-se alimentos no lixo, só porque não têm uma determinada medida e apresentação!

Verdade, que mundo é este em que alguém alucinado proíbe algo ao outro, sem direito ao contraditório e que, não tenha direito à opção de comer o que gosta ou lhe apeteça! Eu quero lá saber da camisa engomada se quem a utiliza, não tem respeito por nada!

Verdade, mas afinal porque lutamos e vivemos? Que mundo queremos?

Já agora, sabem se existe ainda o movimento hippie, e onde andam? Não é para mim, é para um amigo!

 

Beijinhos

 

 

Saí um café para a mesa do canto!

19.09.19 | Paulo Brites

 

Hoje o meu dia começou dessa forma: Uma simpática senhora, chega ao balcão onde eu estava a beber o meu café da manhã e faz o seguinte pedido:

-Um café duplo em chávena aquecida, pode ser daquelas mais finas; Sem princípio, pingado, mas com leite quente! E quero um pau de canela sff! Vou querer também factura com NIF! Ah, desculpe, também o quero sem fim!

E é isso! Nós portugueses com o café somos talvez únicos no mundo! Para um jovem empregado de uma pastelaria, café, restaurante e similares é quem sabe, o mais complicado na sua tarefa de atender os clientes. Qualquer dia, não ficaria admirado em saber que uma qualquer Universidade, irá ministrar uma licenciatura e doutoramento em tirador de café!

De todas as nossas taras na ingestão da dose diária de cafeina, uma delas ressalva à vista! Defendemos até à última consequência o termo “bica”, no entanto, pouco ou nada o aplicamos no pedido de um café expresso. Coisas nossas é claro!

Mas se há coisa em que o português é de facto entendido, o café é uma delas sem dúvida! Temos o curto, o cheio, o meio-cheio (desconheço se existe o meio-vazio), o pingado, escorrido, o normal. Temos a bica, o cimbalino, o carioca, o garoto, o bombom, o cappuccino o abatanado, com cheirinho … o duplo, o pingado e, até o músico. A meia de leite, o galão, o escurinho … a italiana, a chinesa, o americano, a banheira, o mazagran, que num dia de calor, numa esplanada em frente ao mar, é um maravilhoso refresco de cafeina. Com canela, duplo, simples, escorrido, com princípio e sem fim … até temos o carioca de limão!

Enfim, chávena quente, fria, a escaldar, molhada, seca … nunca mais acabaria de enumerar a tão virtuosa forma de tratar a dose diária de cafeina! Nem ambiciono tal facto! Seria uma imprudência minha dizer: essas são as formas de beber e pedir um café em Portugal! Nunca se sabe se não existirão mais 9564 forma de o fazer e pedir!    

Depois temos o acto de o “beber”. Uns gostam de pegar na assa da chávena, outros, ignoram a sua utilidade e gostam de pegar na chávena de mão cheia. Há quem beba com açúcar mas que não mexe para o diluir, outros sem açúcar, outros com adoçante para que possam ingerir o famoso pastel de nata em conjunto … ainda há quem goste, de uma pitada de pimenta ou canela. Enfim …

Sem dúvida que daria um bom tema de estudo e análise comportamental.

E mais, mesmo os que não bebem café, quando nos ausentamos do País dizemos: Que saudades de um café Português!  

O texto já vai ficando longo e, tenho a máquina de café avariada. Vou terminar! É que com tanto café, fiquei com vontade de beber um. Hoje para variar, vou a um músico! É mesmo o que me apetece! Só espero é que o coitado do empregado, saiba o que é um músico!

 

Beijinhos  

Acorda! Não há idade, há espírito!

18.09.19 | Paulo Brites

DSC_8520-2-1.jpgNikon D3200, 50-200mm @ 180mm, f/7.1, 1/640s, ISO 100

 

Hoje acordei muito bem-disposto! De tal forma, que até consegui raciocinar antes do café e do cigarro; Não é todos os dias que isso me acontece! Tenho dias, em que, somente após o planeta terra girar à sua volta por 60 minutos, o consigo!

Mas sim, hoje é um dia diferente! Um dia que me faz viajar a um tempo que não vivi! Faz-me viajar até 1943. Depois desse ano a terra já circulou vezes sem fim à volta do sol e não só. Muitos minutos, dias e anos e, a isso se chama tempo! Vamos somando transladações da terra que em muitas vezes, confundimos com precessão dos equinócios! Erradamente é claro! Os equinócios e os solstícios são acontecimentos completamente diferentes!

Ao que se chama crescer, não é mais do que um acumular de equinócios e solstícios. Um contar da rotação da terra! Claro que existem pessoas em que a mutação do eixo da terra parece que é da sua propriedade, e que, são elas que dominam esse acontecimento. Outras há, que nem se preocupam com tal acontecimento! Eu sou uma delas …

Para mim, o que determina a nossa idade nunca é “as voltas” que a terra dá ao sol! Nunca é o somatório dos equinócios e solstícios! O que determina a nossa idade é a beleza como vimos o cruzamento do sol/terra com o equador celeste! Isso sim, é o que determina a nossa idade! A beleza de ver e ser!

Poderemos ter nascido em 1943, mas isso, não nos faz velhos! Parabéns! Já são alguns equinócios e solstícios!

Passei de imediato para 1969; Foi aí, que dou por mim a conseguir raciocinar antes do café e do cigarro! Foi o ano em que o homem pela primeira vez, chegou à Lua! Um sonho realizado! Foram milénios de cálculos, sonhos e desejos! Mas chegaram! A isso se chama juventude do querer!  

Quando se viaja entre duas datas é bom! É bom sentir que a idade está no espirito e, não nos números! É bom sentir que nada nos pesa no somatório das voltas da terra ao sol!

Há algumas voltas atrás, escrevi umas palavras que há muito são o meu sol. Ser velho ou novo, não é uma fatalidade ou um destino! Ser velho ou novo é uma opção!

 

Acorda … a corda!
Porque não há danças, há música
não há arte, há artesanato
não há cultura, há folclore
não há fotografia, há imagens
não há cinema, há imaginação
não há teatro, há representação
não há religião, há superstição

Acorda … a corda!
Porque não há distâncias, há querer
não há viagens, há passeios
não há comida, há fome
não há pecado, há personalidade
não há “línguas”, há dialetos
não há céu, há espaço
não há nuvens, há água condensada
não há matemática, há lógica e números
não há medicina, há doença
não há politica, há poder
não há guerra, há armas
não há filosofia, há divagação
não há países, há divisões

Acorda … a corda!
Porque não há estradas, há caminhos
não há olhos, há visão
não há ouvidos, há audição
não há barulhos, há sons
não há sonhos, há desejos
não há mágoa, há dor
não há “história”, há passado
não há amores, há complementos
não há atração, há carência
não há beijos, há vontades
não há abraços, há necessidades
não há traições, há infidelidades
não há mentiras, há falta de verdades
não há sexo, há prazeres e orgasmos

Acorda … a corda!
Porque não há poetas, há sofrimento
não há livros, há escritores 
Não há loucuras, há prazeres
Não há drogas, há vícios
não há vida, há viver …
e um dia a corda parte e tu nem acordaste!

 

Beijinhos

 

 

Os burros e a fábula

17.09.19 | Paulo Brites

 

E as sondagens de hoje que dizem? Ou os primos foram mandados calar?
Seja como for, faz lembrar aquela fábula do burro!
Para quem não conhece, aqui fica!

Era uma vez um Rei que queria pescar. Chamou o seu meteorologista e pediu-lhe a previsão do tempo para as próximas horas. Este assegurou-lhe que não iria chover.

A noiva do monarca vivia perto de onde ele iria e, vestiu a sua roupa mais elegante para o receber e acompanhar.
No caminho, encontrou um camponês montando no seu burro, que disse ao Rei: Majestade, é melhor o senhor regressar ao palácio, porque vai chover muito!

O Rei ficou pensativo e respondeu:
- Eu tenho um meteorologista, muito bem pago, que me disse o contrário. Vou seguir em frente! E assim fez; Choveu torrencialmente. O Rei ficou todo encharcado e a noiva, riu-se dele ao vê-lo naquele estado.

Furioso, o Rei, voltou para o palácio e, despediu o meteorologista. De seguida, convocou o camponês e ofereceu-lhe emprego. O camponês disse: Senhor, eu não entendo nada disso. Mas, se as orelhas do meu burro ficam caídas, significa que vai chover.

O Rei então contratou o burro.

E assim começou o costume de contratar burros para trabalhar junto ao Poder ...

Desde então, eis a razão, de burros ocuparem as posições mais bem pagas em qualquer governo ...

Para não dizer também, que porque sonhamos ocupar o lugar do burro, votamos naqueles que nos permitirão com mais facilidade, lá chegar!

 

Beijinhos

 

Mas que raio se passa neste momento?

17.09.19 | Paulo Brites

70506584_2038798322933269_7551783001613402112_n.pn

 

Eu gosto de carne! Tu gostas de peixe!

Eu gosto de alface e tomate! Tu gostas de rúcula e agriões!

Eu gosto do bosque e da floresta! Tu gostas da cidade!

Eu gosto de tartarugas! Tu gostas de gatos!

Eu gosto de Fernando Pessoa! Tu gosta de Florbela Espanca!

Eu gosto do FC Porto! Tu gosta do SL Benfica!

Eu gosto de beber café em jejum! Tu gostas de beber depois do pequeno-almoço!

Eu gosto de beber uma imperial às 17 horas! Tu gostas de chá!

Eu gosto da Nikon! Tu gostas da Cannon!

Eu gosto de mulheres! Tu gostas de homens!

Eu sou ateu! Tu és crente!

Eu gosto disso, tu daquilo!

Mas que raio se passa neste momento? Isso é algo que lesa a Pátria?   

Nunca me dirigi de forma direta a um pseudo-partido politico! Mas chega! Estou cansado de ouvir tanta treta!

Partido ecologista? Parece anedota! Ecologista sou eu e não me revejo em nada das questões deste movimento ditatorial e extremista, que tem, a abreviatura de ... (não posso dizer, porque quem sabe, ainda me metem um processo em tribunal)

Certo que estou a correr o risco de me julgarem também um extremista! Mas sei que não sou!

A questão do ordenamento do território? A questão dos incêndios e da floresta em Portugal? A questão da utilização excessiva de pesticidas e alguns deles até proibidos em Portugal? A questão dos parques naturais que praticamente já não existem? A questão da contaminação poluente dos nossos rios e linhas de água? A questão das monoculturas que arrasam tudo pela frente, sem qualquer respeito pelas pessoas, terrenos, natureza, animais e património? A questão da total pressão sobre a natureza? ...

Esta lista nunca mais terminava! Ecologia é dizer: a partir de agora o Estado não serve mais carne! Só vegetais!

Tenho o direito em gostar de carne, tal como qualquer um tem o direito de ser vegetariano! Ou melhor, isso nem é uma questão de direito! É uma questão de opção!

Já quanto aos gatinhos e cãozinhos, não sejamos ridículos! Um reformado que não tem dinheiro para comprar os seus medicamentos, irá ter ajuda para levar o seu gatinho e o cãozinho ao veterinário? Mas estará tudo doido ou sou eu que estou a ver mal a coisa?

Ditaduras, extremismos e todos os movimentos desse tipo, somente nos livros de história! E mesmo nesses, lamento muito, todos aqueles que permitiram que tais situações acontecessem!

Por favor, deixem a hipocrisia à entrada da ETAR da vossa localidade, na esperança que ela (ETAR) tenha capacidade de a reciclar!

Beijinhos  

 

 

Eu sou uma sensação minha

16.09.19 | Paulo Brites

DSC_10037-1-3.jpgNikon D3200, 18-55mm @ 18mm, f/7.1, 1/125s, ISO 100

 

"A única realidade para mim são as minhas sensações. Eu sou uma sensação minha. Portanto nem da minha própria existência estou certo. Posso está-lo apenas daquelas sensações a que eu chamo minhas.

A verdade? É uma coisa exterior? Não posso ter a certeza dela, porque não é uma sensação minha, e eu só destas tenho a certeza (...)"

Textos Filosóficos . Vol. II. Fernando Pessoa; Lisboa: Ática, 1968

Não basta dizer: Vou Viajar

10.09.19 | Paulo Brites

DSC_10042-1-2.jpgNikon D3200, 50-200mm @ 50mm, f/7.1, 1/640s, ISO 400

 

Caminhar é fazer conquistas, criar cumplicidades, cativar! Caminhar é viajar! E ao viajar, só sabemos que nada se sabe e pouco se conhece. Nada é eterno e nada é inatingível! Se não, caso contrário, tudo perde a graça e, diminui a importância para nós!

Viajar não significa uma constante busca do desconhecido. Poderemos viajar de muitas formas! Até poderemos viajar diariamente no nosso percurso casa-trabalho, trabalho-casa. Só depende de nós próprios e da forma como “olhamos” para o caminho dessa viagem! Haverá sempre algo de novo a ver, haverá sempre alguma coisa que nos cativou ontem e que, se olharmos com mais atenção, também hoje nos vai cativar.

Se negligenciarmos o caminho já percorrido é perigoso! Não nos deveremos toldar somente ao caminhar. Deveremos sim, desbravar caminhos novos, mas sempre com respeito pelo que já se fez! 

Por vezes temos um comportamento nocivo à nossa satisfação pessoal. Que nos faz distanciar e desfrutar dos prazeres e conquistas obtidas. Agimos com desprezo da caminhada que vamos fazendo; Das pessoas que nos vão cativando ou que cativamos. Certo que a ambição também deverá fazer parte deste caminho, no entanto, esse caminho não pode ser somente norteado a conquistas futuras!

Como disse Martha Medeiros: “Regue as plantas, regue as suas relações, regue o seu futuro, porque, sem cuidar, nada floresce.” Viajar é também um pouco isso! Sem atenção, sem olhar, sem contemplar, sem “mimar”, seja que viagem você fizer, quando chegar ao fim, necessitará sempre de uma nova!

Tal como no amor, viajar não deverá ser somente um novo destino, mas sim, ver e dar atenção ao caminho que se percorre! E se, esse caminho nada de novo nos der, sim, viajamos de novo à procura do desconhecido.

Não é por dizer que já visitei este ou aquele destino que nos poderemos tranquilizar e o negligenciar! É necessário voltar! Com toda a certeza que se nos recordarmos deste ou daquele sítio, se formos com espirito de sedução, interesse e, acima de tudo, se viajarmos com amor, com certeza que a nossa revisita será sempre como se fosse a primeira vez!

A sedução e a conquista de viajar não está somente no desconhecido. Dar valor ao conhecido, é também uma forma de viajar.

Seja como for, é importante caminhar e viajar! Quer seja um destino conhecido ou não! Mas que nunca se perca a vontade de caminhar e viajar, tal como, a vontade de aprender algo de novo todos os dias. Tudo faz falta! Todos os conhecimentos são importantes! É isso que nos faz crescer e ser feliz! É por isso que quero viver e é por isso que vivo!

 

Beijinhos

 

Pág. 1/3