Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

Balanço do ano “Amoroso”

14.02.18 | Paulo Brites

lenços-dos-namorados-do-Minho.jpg

 

Hoje é dia dos apaixonados, do amor … no entanto a coisa não está nada fácil para essas coisas.

O ano amoroso que vai de 14 de Fevereiro a 14 de Fevereiro não foi dos melhores para o amor!

Em Agosto de 2015 e em plena governação de Passos Coelho e da múmia Aníbal (que me desculpem mas … o ar deles é tudo menos romântico) no âmbito da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Convenção de Istambul - A Convenção do Conselho da Europa para a prevenção e o combate à violência contra as mulheres … foi então que passou a ser crime o tradicional “Piropo” e quem o pratica fica sujeito a uma pena de prisão que poderá ser de até 3 anos (engraçado que ainda hoje não sei porquê, mas as senhoras que continuam a bordar os lenços em Viana do Castelo ainda não foram presas ou investigadas pela justiça).

Acho que deverá ter sido o início da “coisa” … Um piropo é crime, recitar um poema Du Bocage é assédio, são os movimentos feministas que defendem as mulheres dos homens. Depois existem mulheres que defendem mulheres de feministas … feministas que atacam homens, outras atacam mulheres … fogo já me perdi … vocês perceberam certo?

Foi um ano marcado pelas notícias, desabafos e devaneios sobre o assédio sexual em que até o José Cid relata que chegou a ser assediado por um fadista … enfim! Movimentos feministas (que muito respeito desde que sérios e honestos) ficaram completamente banalizados quando uma nossa irmã espanhola achou que ser “Porta-voz” era discriminatório e quer, que se altere a “coisa” para “Porta-voza”, porque Porta-Voz é masculino no entender dela! Claro que estranho não existir uma petição pública na nossa vizinha Espanha para mandar tal senhora (politica de profissão) regressar ao ensino primário para saber, que o que define o masculino ou feminino de tal palavra é o artigo …

Por cá e não falando das “Barbie nacionais”, tivemos a amiga Joana a defender que se deveria criar nos transportes públicos uma zona para mulheres outra para homens … enfim, cada um diz o que bem entende!

Poderia continuar a falar sobre “tamanhos” disparates que neste ano amoroso existiram e que estão a chegar ao ponto em que se um casal de namorados dá um beijo num banco do jardim é considerado uma afronta mas se for um casal Gay nada se pode dizer porque é discriminação. Nada tenho contra uns nem outros, bem pelo contrário. Sou da opinião que cada um de nós é livre nas suas opções sexuais.

Depois para terminar e como diz o povo “foi a cereja em cima do bolo” vem o sr. Clemente não sei dos quantos dizer e quase que ordenar aos recasados católicos para se deixarem de coiso e tal que isso aos olhos de deus é uma pouca-vergonha, de tal forma que me fez lembrar de uma velha anedota:

No convento a madre Teresa, que estava sempre mal disposta e sisuda, um dia acorda muito sorridente e distribui bons dias as todas as freiras de uma forma muito simpática e alegre. No entanto estranhando os risos e o comentário feito pelas noviças em que lhe diziam: a madre hoje acordou para o lado errado, lá continuava a dar os bons dias a toda a gente. Quando chega perto do padre António e lhe conta a reação delas … diz-lhe o padre, Teresa então não é que tu andas com os meus chinelos e eu com os teus …

E pronto, depois da troca de chinelos tudo voltou ao normal, expecto a satisfação e alegria do padre António e da madre Teresa … porque como diz uma amiga minha, até as carochinhas gostam e só têm casca …   

Para não terminar este texto de forma tão “sexual” e porque é sempre bom ter conhecimento, deixo aqui um pouco da história do nosso querido amigo São Valentim:

“Valentim, bispo romano do século III, santificado pela Igreja Católica, é o santo que deu nome ao Dia dos Namorados em muitos países.

Com o objetivo de formar um grande e poderoso exército, o imperador Cláudio II, proibiu a realização de casamentos, na convicção de que os jovens solteiros iriam alistar-se com maior facilidade. Porém, desobedecendo a esta ordem do imperador, Valentim o bispo romano, mais tarde santificado pela pela Igreja Católica, continuou a celebrar casamentos, em segredo. Esse procedimento foi descoberto, o bispo foi preso, condenado à morte e decapitado no dia 14 de fevereiro de 270.

Enquanto Valentim aguardava a execução da sentença, Artérias, uma jovem cega, filha do carcereiro, conseguiu a permissão do pai para visitar Valentim, o que levou ao despertar do amor entre eles. Foi então que, milagrosamente, a jovem recuperou a visão.

Em meados do ano de 496, a igreja católica espanhola reconheceu São Valentim como o padroeiro dos namorados e o dia 14 de fevereiro como o dia oficial das festividades.”

 

E porque o amor é sempre o amor, divirtam-se e amem, quer sejam solteiros, casados, divorciados, viúvos, recasados … beijinhos para todos!

 

* Foto net