Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

E quando uma fotografia tua ilustra o sentimento e as palavras de um escritor?

21.04.18 | Paulo Brites

31045587_1830503410587560_5608637102595151643_n.pn

 

"É no confluir da tarde, onde se dilui o dia, que a alma me beija e sussurra cada poesia" 

Graça Aguiar

 

Sim, foi num final de tarde onde antes existia um rio, um rio que todos os anos com a sua força nos ia “lavando a paisagem”. Sim, foi num final de tarde de Janeiro solarengo, que a minha objectiva captou esta imagem! Era e ainda continua a ser o grande rio do sul, o rio Guadiana!

O grande rio que aos poucos se soltou e criou novas margens, tal como nós, temos que nos soltar e criar novas margens, novos sonhos, novos projectos.

Hoje a sua força nesta zona do seu leito pouco ou nada se nota. Deu lugar a um calmo e imenso lago, ao lago de Alqueva. No entanto ao criar novas margens, criou também um novo aroma poético onde as vulgares gotas de chuva se foram acumulando e de uma forma sensual e mágica, deu origem a um lugar maravilhoso, para que, com o aroma das palavras e o despertar da sensualidade possam, poetas, escritores e fotógrafos habitar junto a essas margens o despertar de um final de tarde, onde a alma nos possa sussurrar como um beijo em cada poesia que o poeta cria!

Obrigado Graça Aguiar pela escolha de uma fotografia minha para ilustrar a capa do teu novo projecto e que as tuas palavras sejam sempre como beijos nas nossas almas!