Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

Mogol Derby 2018 ... e o www.alentejoturismo.pt

27.07.18 | Paulo Brites

DSC_8788-1-4

Nikon D3200, 50-200mm @ 135mm, f/9, 1/320s, ISO 100

 

Mas afinal o que é que a costa alentejana tem a ver com a Mongólia? Bem para mim que infelizmente não conheço a Mongólia irei dizer que nada!  

No entanto deverei estar errado mas isso também pouco interessa! O que interessa na realidade é saber que Portugal e a costa alentejana em particular é um destino escolhido para a preparação de uma “aventureira” … sim é verdade!

Achei interessante esta cavaleira holandesa vir para terras lusas treinar a sua participação numa aventura que é para poucos! Tal como achei interessante este texto escrito por uma amiga que também ela escolheu a costa alentejana para dar início a um projeto novo … para as duas deixo aqui um enorme “BOA SORTE”.

 

Para quem gosta de viajar e conhecer um pouco mais do nosso Alentejo deixo aqui um link para acompanharem, vai valer a pena! - https://alentejoturismo.pt

 

“Quando fotografava a costa alentejana, entre Vila Nova de Mil Fontes e Porto Covo;  conheci Hinke van der Werf.

Uma simples cavaleira despertou a minha atenção: estranhei o trato selvagem do seu cavalo bravio e, na minha modesta acessibilidade linguística, tentei algumas palavras em inglês.

Mal nos entendemos mas consegui perceber: o pedido para fotografar a sua partida que teria inicio, nesse preciso momento. Mogol Derby 2018 – não percebi, no imediato, a grandeza da minha interlocutora e a dimensão do evento.

Chegada a casa: corei envergonhada da enormidade da minha lacuna a nível de conhecimentos.

 

Mogol Derby 2018

De 5 a 17 de agosto, o Mongol Derby será realizado pelo décimo ano consecutivo: a mais longa e dura corrida de cavalos do mundo; ocorre sobre as estepes da Mongólia e recria o sistema de mensageiros a cavalo – desenvolvido por Ghengis Khan em 1224.

Num máximo de dez dias e com um máximo de cinco quilos de bagagem, cerca de, 40 participantes internacionais completam uma rota de 1000 km.

Os cavaleiros terão que encontrar o seu caminho –  num percurso que só é público no momento do início da prova;  trocam de cavalo a cada 39 quilómetros.

O percurso incluirá montanhas, vales verdes abertos, colinas arborizadas, travessias de rios, zonas húmidas e várzeas, dunas arenosas semiáridas, colinas onduladas, leitos de rios secos e estepes abertas.

Os participantes acampam à luz das estrelas –  sujeitos ao lobo das estepes e a possíveis ataques de grupos armados;  passam  13 a 14 horas, por dia, na sela.

Completar a corrida é uma conquista – geralmente, apenas metade dos competidores a termina.

Cada candidato paga 15 000 euros para participar e necessita angariar fundos para uma organização ecológica e uma instituição solidária à sua escolha.

Num acaso, trocámos sorrisos e tive o imenso prazer de fotografar o início do Mongol Derby 2018, para a Hinke van der Werf.

 

Os cavalos

Os  cavalos  são semisselvagens (só foram montados duas a três vezes antes da prova).

Ao longo do caminho, são monotonizados  e os veterinários podem impor penalidades de tempo se os cavaleiros exigirem demasiado esforço físico aos animais.

 

Quem é Hinke van der Werf?

É uma enfermeira e socióloga médica, trabalha na Universidade Hanze de Ciências Aplicadas, em Groningen. Integra a Mongol Derby 2018 (a maior e mais difícil corrida de cavalos do mundo).

Para ser selecionado, cada candidato realiza várias entrevistas; necessita provar o espírito de aventureiro e demonstrar fortes capacidades físicas e mentais. Hinky Werf escreveu na sua carta de seleção:

“Depois de procurar por tigres na Índia; evitar cobras marrons no interior da Austrália; ensinar estudantes de enfermagem na universidade e ajudar refugiados a começar de novo na Europa, estou procurando uma fogueira. De preferência, uma fogueira mongol.”

Hinke van der Werf escolheu Porto Covo e a costa alentejana para se preparar, física e mentalmente, para a grande aventura. Ir além dos seus limites – é a meta.  Num acaso, trocámos sorrisos e tive o imenso prazer de fotografar Hinke van der Werf, no início do Mongol Derby 2018.

Hinke van der Werf escolheu  angariar fundos para os Médicos sem Fronteira, siga o link e deixe o seu donativo: https://www.actiezondergrenzen.nl/actie/hinke-van-der-werf 

Beijinhos, Hinke, vamos acompanhar a tua chegada à meta.”

 

https://alentejoturismo.pt/hinke-van-der-werf-mongol-derby-2018/