Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diz à mãe para migar as sopas ...

Diz à mãe para migar as sopas ...

Políticos, interesses … hierarquia e os Politécnicos!

15.02.18 | Paulo Brites

question-mark-1019820_960_720.jpg

 

 

Doutor, Mestre, Licenciado, Bacharel... Sargento, Oficial, General … Primeiro-Ministro, Ministro, Secretário de estado … Papa, Cardeal, Arcebispo, Sacristão … Médico, Enfermeiro, Auxiliar … Professor, Assistente, Auxiliar … Juízes, Advogados, Oficiais de Justiça … Escola Secundária, Instituto Politécnico, Universidade … e por ai fora … a isto se chama hierarquia!

Hierarquia é um substantivo feminino e que de forma simples e resumida tem este significado:

Subordinação de certos poderes uns aos outros;

Classificação ou ordenação segundo determinados critérios, classe, categoria…

 

 

Nesta breve definição de hierarquia quero salientar que para mim, a mais importante e aquela em que mais me revejo é sem dúvida - Classificação ou ordenação segundo determinados critérios, classe, categoria … (acrescentando capacidade e conhecimento aos critérios)!

Não significa que todos os que pertencem a cada patamar de uma hierarquia sejam competentes, sábios e que tenham condição e formação humana para si só, lhes pertencerem!

Claro que não! Claro que o que distingue as capacidades de cada um não são somente as suas habilitações académicas, conheço muito boa gente que não as têm e conseguem ser bem melhores profissionais do que aqueles que as têm … como existe muita gente com altas habilitações académicas que são em termos pessoais as pessoas mais mesquinhas e pobres que existem!

No entanto sou da opinião que quanto mais conhecimento se tiver melhor e mais condições temos para desenvolver uma atividade profissional (quer seja ou não na sua área académica) ou desenvolvimento cultural e pessoal para viver … bem como maior capacidade de assimilação de todos os fatores essenciais para o nosso crescimento pessoal e desempenho profissional!

O chamado Processo de Bolonha, que Portugal foi um dos países que assinou “tão nobre” documento (tão nobre que para mim, junto com o acordo ortográfico, deveria ser de imediato queimado) veio trazer, ou melhor veio servir os interesses dos “chicos espertos” nacionais.

Em termos académicos baralhou tudo … já ninguém sabe o que é o quê! Não se sabe se o desenhador é engenheiro civil ou arquiteto … se o professor doutor é doutor professor … se o mestre é licenciado ou se o bacharel é mestre. Se as universidades são politécnicos ou as escolas secundárias são faculdades …

Agora pergunto eu? A hierarquia existente antes do dito documento de Bolonha estava errada?  Quanto a mim não! Estava bem escalonada, o que estava mal seriam algumas gestões e enquadramentos que deveriam ser melhor trabalhados …

Um dos níveis em que se deveria ter apostado mais, sem dúvida que para mim seria os cursos técnicos e como tal o ensino politécnicos (vulgo bacharelatos)! Ai seria a aposta a fazer, pois seria daí que iriam sair bons técnicos agrícolas, bons técnicos administrativos, bons técnicos industriais … claro que a esses 3 anos se a eles fossem incorporados mais 2 anos de estágios profissionais acredito seriamente que teríamos muito mais para dar por este país!

As universidades deveriam manter as suas licenciaturas, mestrados e doutoramentos, para além claro, de evoluir e liderar a investigação!

Era isto! Não era mais nada! E não é mais nada! Como é possível existir “fulanos” que terminaram um curso já numa fase muito adulta da vida e por equivalências (de universidades privadas que é do conhecimento geral que foram um fiasco), estejam ou comecem a dar aulas em Universidades? Porque é que os politécnicos irão ministrar doutoramentos?

Será que uma auxiliar de educação (muito respeito tenho por elas e que têm um papel muito digno na sua função) terão qualificações para serem professores? Será que um enfermeiro terá conhecimento para ser médico de família? Será que um oficial de justiça terá condições profissionais para ser Juiz? Será que um sargento da marinha consegue ser comandante de uma fragata ou de uma frota naval? Será que um pedreiro consegue fazer o trabalho de um engenheiro civil? Será que um diácono ou sacristão pode ser Papa?  

Será que um político de profissão sem qualquer experiencia ou conhecimento lectivo vai ser um bom professor?

Será que o ensino politécnico fará grandes “doutores”? E as universidades? Formarão bacharéis?

Verdade, julgo que neste momento o termo “anarquia” deveria começar a fazer parte da definição de hierarquia … e não me venham com a treta que sou conservador, ok?

 

Beijinhos …

 

* Foto net

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.